09/11/2017

Encontro Latinoamericano pactua resistência ao desmonte da Reforma Psiquiátrica

Especialistas alertam para os riscos retrocessos na atenção à Saúde Mental

Resistir ao retrocesso na assistência à Saúde Mental e promover sua inclusão na Atenção Básica são compromissos assumidos pelos participantes do Encontro Latinoamericano de Saúde Mental, realizado de 6 a 9 de novembro, durante o 20º Congresso Brasileiro dos Conselhos de Enfermagem, no Rio de Janeiro.

O  encontro reafirmou a relação inseparável entre física e mental, parte da integralidade. “Todo problema de saúde é também, e sempre – mental. Toda saúde mental é também, e sempre – produção de saúde”, afirmou a conselheira federal Dorisdaia Humerez, na abertura encontro, que contou com a presença do presidente do Cofen, Manoel Neri, e as pesquisadoras Beth Sandagorda e Esperanza Morales.

“A desconstrução da Reforma Psiquiátrica é parte do desmonte do Sistema Único de Saúde (SUS) no Brasil. Não podemos permitir que, por interesses escusos de seus administradores, renasçam os manicômios”, afirmou, sob aplausos, o presidente do Cofen, Manoel Neri. Com 230 vagas, o encontro abriu espaço para ouvintes, que lotaram o espaço na segunda-feira (6).

“Quando olhamos a Enfermagem mundial, devemos olhar a sociedade – e nossa sociedade é conflitiva. Nosso campo de trabalho não é apenas nosso entorno imediato. É o paciente, a família, a sociedade”, destacou a colombinana Esperanza Morales, que falou sobre o processo de paz em seu país, e a busca da conciliação e não-repetição.

“Apesar dos desafios que a Enfermagem enfrenta em virtude de decisões políticas que não estão verdadeiramente comprometidas com as necessidades de nossas populações, o mundo nos convoca a um olhar de esperança”, concluiu a professora, ressaltado a necessidade de mobilização.

 

Fonte: Ascom - Cofen